Boletim de Boas Práticas: Proteção auditiva - Ensaio de vedação (fit test)

Livre tradução do Guia de Boas Práticas da OSHA, realizado por Flávio Assis, Gerente de Produtos de Proteção dos Olhos e Face - Honeywell Produtos de Segurança América Latina

 

Muito se tem aprendido sobre a eficácia da abordagem individual para proteção auditiva desde que a  “Occupational Safety and Health Administration” (OSHA) publicou a norma de conservação auditiva (29 CFR 1910.95) em 1983. A norma requer que os trabalhadores selecionem um dos métodos listados no anexo B: para avaliar a adequação da atenuação do protetor auditivo (29 CFR 1910.95 (j) (1)). Um dos métodos para avaliação da atenuação do protetor auditivo é o “Noise Reduction Rate” (NRR) desenvolvido pela “Environmental Protection Agency” (EPA) nos Estados Unidos. O NRR é um único número que pretende representar a quantidade de atenuação que um protetor auditivo pode proporcionar. A EPA requer que o NRR esteja na embalagem de cada protetor auditivo (40 CFR 211 sub-parte B). O NRR é um método base de laboratório para calcular a quantidade de atenuação dada por um protetor auditivo.

Enquanto o NRR proporciona um indicador de performance do protetor auditivo, esses métodos são feitos sob ótima vedação em condições laboratoriais e grupos estatísticos para prever a performance do protetor em cada indivíduo no local de trabalho. Como a performance do protetor auditivo é crítica para o sucesso de um programa de conservação auditiva, tem havido um mercado emergente de sistemas que oferecem a capacidade de verificar a vedação de protetores auditivos individualmente, para verificar a atenuação que cada indivíduo receberá.

Pesquisas e estudos sugerem que quando indivíduos são envolvidos no processo de ensaio de vedação e recebem retorno positivo sobre como inserir plugues, eles serão mais propensos a ter atitude positiva sobre proteção da audição deles e serão mais aptos a usar protetores auditivos corretamente e de forma consistente no local de trabalho. Essa postura positiva deve resultar em redução de perda auditiva por indução de ruído no local de trabalho.

 Para datar métodos de ensaio de vedação no campo para usar com protetores auditivos incluem medidas subjetivas “real-ear attenuation and threshold” (REAT), objetivo “field microphone-in-real-ear” (F-MIRE), e balanceamento de volume envolvendo a resposta de usuários a estímulos sonoros para obter índices de atenuação pessoal. Os procedimentos subjetivos como o REAT e balanceamento de volume envolve resposta dos usuários, enquanto a abordagem objetiva como o F-MIRE envolve medida de dois microfones para um teste de sinal. O anexo B não explora ou discute os vários métodos de testes de atenuação de proteção auditiva no campo, nem as vantagens ou desvantagens de cada técnica. Da mesma forma, a OSHA não endorsa nenhum produto, fabricante ou empresa que ofereça ensaio de vedação.

Não importa o método usado, ensaio de vedação tem o potencial de servir diversos propósitos positivos em programas de conservação auditiva:

 

  Howard Leight VeriPRO

  1.  Pode ser uma valiosa ferramenta de treinamento. A norma de conservação auditiva da OSHA requer que empregadores treinem trabalhadores no uso e cuidado de protetores auditivos (29 CFR 1910.95 (i)(4)), e requer que empregadores assegurem vedação inicial apropriada e supervisão de uso correto (29 CFR 1910.95 (i)(5));    

  1. Pode ser usado como uma ferramenta para treinar o treinador a ensinar outros sobre como treinar os trabalhadores;  

  1. Pode ajudar com procedimentos de revisão de testes audiométricos exigidos pela OSHA.  

     

    1.   

      Procedimentos de revisão de testes audiométricos requerem que, quando a avaliação de um audiograma indica um STS, trabalhadores que já usam protetor auditivo devem ser inserir novamente o plugue e ser treinados sobre o uso e devem ser providos de plugues que ofereçam maior atenuação, se necessário (29 CFR 1910.95 (g)(8)(ii)(B));  

       

    2. Protocolos de teste de vedação individual validarão a quantidade de atenuação atingida pelo usuário individual do protetor auditivo e permitirá ao empregador ter melhor entendimento para o requerimento de oferecer um plugue de maior atenuação, se necessário.  

  1. Pode fornecer documentação útil sobre adequação e treinamento de protetores auditivos. O software proporciona uma evidência escrita da atenuação arquivada para o protetor usado;

     

  1. Pode ser usado como uma ferramenta para acessar a eficiência de um programa de conservação auditiva;

      

  1. Pode permitir ao profissional de segurança no trabalho para oferecer protetores auditivos com atenuação adequada segundo o local de trabalho do usuário. Isso pode ser particularmente útil em trabalhos críticos para proteção auditiva ou para aqueles com diferença de performance em cada canal auditivo;

      

  1. Pode contribuir na seleção de protetor auditivo apropriado em novas contratações. Uma variedade de protetores podem ser testados, e o modelo apropriado pode ser selecionado para oferecer a melhor proteção.

 

É importante enfatizar que além de como a performance de um protetor auditivo é derivada, o fator mais importante é encontrar o protetor auditivo mais confortável que o trabalhador usará corretamente 100% do tempo em que estiver sob ruído intenso. Outros fatores para avaliar são a necessidade de comunicação dos trabalhadores, abilidade de audição, conveniência, compatibilidade com outros EPIs e o ambiente onde serão usados. Novamente, o melhor protetor auditivo é aquele que será usado apropriadamente sempre que exposto a ruído perigoso.

Aumentar o conhecimento de dificuldades no trabalho e desafios relacionados a performance de protetores auditivos terão um impacto positivo na prevenção de perda auditiva por indução de ruído no local de trabalho. Para mais informações sobre tecnologias emergentes associadas a métodos de proteção auditiva e variações associadas a performance de protetores auditivos, entre em contato com a “National Institute of Occupational Safety and Health” (NIOSH) pelo telefone 1-800-CDC-INFO. Mesmo que a NIOSH advoge o conceito de teste de vedação individual, ela não recomenda nenhum método específico.

 

  Saiba mais sobre o VeriPRO, clicando aqui.

 

Informações adicionais sobre ensaio de vedação:

  1. Berger, E.H (2007). “Fit testing hearing protectors,” CAOHC Update 19(2), 5-8.
  2. Hager, L.D (2007). “Hearing Protector Evaluation: Current Standards and Pending Developments,” Hearing Rev. 14(3), 26-28.
  3. Hager, L.D (2006). “Fit Testing Ear Plugs,” Occupational Health and Safety 75(6), pages 38-42 and 135.
  4. Berger, E.H (1989). “Exploring Procedures for Field Testing the Fit of Earplugs,” Proceedings, 1989, Industrial hearing ConservationConference, University of Kentucky, Lexington, KY, 7-10.
  5. Witt, B (2007). “Putting the Personal Back into PPE: Hearing Protector Effectiveness.” Occupational Health and Safety 76(6), 90-94.
  6. Witt, B (2007). “Fit Testing of Hearing Protectors,” Occupational Health and Safety 76(10), 118-122.

 

 

Para fazer o download do arquivo, clique aqui.

 

Back to your search

Honeywell Segurança Industrial

Avenida Tamboré, 267 – 17 andar, Barueri, SP

CEP: 06460-000

(11) 4507-0505

Marketing.his@Honeywell.com