OLHOS CANSADOS - Envelhecimento dos olhos

Por Mike Franz, Gerente de Produtos Sênior das armações Uvex para lentes corretivas nos Estados Unidos e Flávio Assis, Gerente de Produtos de Proteção Ocular da Honeywell Produtos de Segurança - América Latina.

Os trabalhadores mais experientes e a necessidade de óculos de segurança com lente graduada

Dados epidemiológicos disponíveis para o Brasil, divulgados pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) mostram que 30% das crianças em idade escolar e 100% dos adultos com mais de 40 anos apresentam o processo de vista cansada ou presbiopia, interferindo na visão para perto.

A estatística mundial de prevalência de miopia e astigmatismo estima que 30% dos indivíduos com menos de 40 anos de idade necessitam ou necessitarão de óculos, além de parte dos casos de hipermetropia.

Segundo dados do IBGE de 2009, 4,5 milhões, ou 20% da população economicamente ativa tem 50 anos ou mais, e 14,3 milhões, ou 62% tem entre 25 e 49 anos.

 

 

Gráfico artigo Olhos cansados

 

 

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

Em mil pessoas.  

Fonte: PME/IBGE

 

As pessoas estão vivendo e trabalhando por mais tempo, e a maneira que protegemos as pessoas deve se adequar as necessidades delas.

 

Para esses milhões de trabalhadores que precisam corrigir ametropias como a miopia, hipermetropia, astigmatismo ou presbiopia, uma visão clara é mais do que conforto, é questão de segurança, e por isso, é fundamental que profissionais da área se saúde e segurança ocupacional saibam como proteger trabalhadores que possuem capacidade visual reduzida.

 

O que acontece com a visão conforme nossa idade avança?

 

Boa parte dos trabalhadores que possuem mais de 40 anos estão alcançando uma idade onde já é comum ter redução da capacidade visual, e o avanço desse quadro ocorre de forma gradativa e lenta, de tal forma que certas vezes nem a própria pessoa nota o que está acontecendo. Os problemas mais comuns de visão, ou ametropias, são a miopia, caracterizada pela dificuldade de ver coisas de longe; a hipermetropia, cujo sintoma é a dificuldade de se enxergar coisas de perto e o astigmatismo, onde a pessoa tem dificuldade de enxergar de longe e perto. Com o passar do tempo, os músculos dos olhos se cansam e a retina fica menos flexível, resultando em maior dificuldade para os olhos alternarem os focos de longe para perto como antes.

 

Tendo alcançado os 50 anos, para muitas pessoas a capacidade de ver a uma média distância (tipicamente a distância entre a visão e o computador) também é afetada. Essa progressão natural da perda de visão requer lentes corretivas multifocais, que é o caso de boa parte dessa população.

 

Muitos profissionais da área de segurança e saúde ocupacional não são treinados ou instruídos para se atentar as deficiências visuais dos trabalhadores e a maioria das empresas não possui um programa ou campanha que incentive os trabalhadores a consultar frequentemente um oftalmologista. No entanto, quando uma perda de visão não é corrigida, as empresas colocam os seus trabalhadores em risco. Um trabalhador pode perder sua visão por uma doença, empresas podem perder produtividade e gastar milhares, até milhões em custos diretos e indiretos relacionados a uma doença ocupacional. Então por que a maioria das empresas não proporcionam aos trabalhadores um programa relacionado ao uso de óculos de segurança com lente graduada?

   

Quando o atendimento aos requisitos não é suficiente  

 

O uso dos óculos de segurança de sobreposição (OTG) é a razão de não ter um programa formal de uso de óculos de segurança com lente graduada, fato esse justificado pelo preço do produto quando comparado com óculos de segurança com lente graduada.

 

Os óculos de segurança de sobreposição que atendem aos requisitos da “American National Standards Institute” (ANSI) e que podem proporcionar a necessária proteção contra impactos pode não ser a melhor escolha. Ao selecionar qualquer óculos de segurança, incluindo OTGs, a aceitação dos trabalhadores é crítica. Conformidade, ajuste e estilo são regras importantes no processo de seleção. Se seus óculos não são confortáveis, os trabalhadores terão mais resistência ao uso, podendo removê-los durante o trabalho, colocando eles mesmo sob risco. Como óculos de sobreposição são usados sobre os óculos com lentes corretivas, conforto e encaixe são ainda mais importantes. Preste atenção ao peso e tamanho dos óculos de sobreposição. Se eles são muito grandes ou pesados, eles podem ser desconfortáveis quando usados durante todo o dia. Além disso, procure pelo modelo de óculos de sobreposição ajustáveis, que permitem uso mais customizado. Além disso, os óculos de sobreposição exigem que os trabalhadores olhem através de duas lentes – as lentes corretivas do próprio trabalhador e a de sobreposição (de segurança) – o que pode causar certa distorção se os óculos não estiverem bem encaixados na face. Profissionais da segurança e saúde ocupacional devem ter esse conhecimento e verificar com seus trabalhadores para assegurar que não há nenhum problema.

 

Por outro lado, os óculos de sobreposição são uma excelente opção para visitantes ou uso num curto período de tempo, e verdadeiramente a melhor opção para trabalhadores que precisam usar óculos de segurança durante todo o dia é o uso de óculos de segurança com lentes corretivas. Cada óculos de segurança com lentes corretivas é feito para atender a necessidade específica de cada trabalhador com uma solução simples e confortável. Óculos de segurança com lente corretivas também atender a todas as especificações de óculos de segurança convencionais. O uso desses óculos pode trazer resultados fantásticos: a visão do trabalhador é corrigida, eles sentem maior conforto ao usar seus óculos, e como resultado eles gostarão de usar os óculos de segurança durante todo o dia, trabalhando de forma segura.

 

Revisões de normas  

 

Em 2010, foram feitas revisões na norma ANSI Z87.1, que aborda o uso de protetores oculares e faciais no ambiente de trabalho. No entanto, um estudo de mercado sobre óculos de segurança com lentes corretivas feita pela Honeywell este ano nos Estados Unidos mostra que enquanto a maioria dos profissionais de segurança e saúde ocupacional estão “muito” ou de “alguma forma” familiarizados com a norma ANSI Z87.1, e muitos não estão familiarizados com essas mudanças importantes feitas em 2010, que na sua maioria afetam o uso de óculos de segurança com lente graduada.

 

A ANSI Z87.1 agora exige testes específicos dos fabricantes dos óculos de segurança com lentes corretivas. Além disso, afirma que fabricantes das lentes, armações e óculos completo (armação e lentes), assim como fabricantes de componentes, devem evidenciar resultados dos testes ao comprador mediante requisição. Esses são passos importantes para assegurar que aspectos de segurança exigidos por norma são atendidos em cada óculos de segurança com lente graduada.

 

No Brasil, ainda é usada a norma ANSI Z87.1 de 2003 como parâmetros para ensaios e não é possível afirmar quando a nova versão será utilizada, nem se as mudanças serão aplicadas.

 

O que a maioria ainda desconhece é que recentemente o Ministério do Trabalho e Emprego (M.T.E) divulgou a nota técnica 33/2010/CGNOR/DSST/SIT, afirmando que o CA de óculos de segurança é emitido para o conjunto lente (plana) e armação, não sendo possível emitir CA somente para as lentes graduadas. Por isso, determinou-se que as empresas fabricantes ou importadoras de óculos de segurança deverão obter o CA para o conjunto (lente e armação), e caso o fabricante ou importador deseje, poderá autorizar óticas a confeccionar e montar lentes graduadas em sua armação, devendo se responsabilizar pelo equipamento. Ou seja, todo e qualquer óculos de segurança cujas lentes corretivas (ou não) tenham sido confeccionadas em algum laboratório ou óptica não autorizada pelo fabricante, considera-se uma descaracterização do produto e, consequentemente, do seu CA.

 

Três passos para proteger “olhos cansados”:

 

É importante para empresas considerar as necessidades dos trabalhadores que possuem necessidade de correção através de lentes para assegurar sua segurança.

 

1) Promover uma campanha ou programa de prevenção, estimulando a consulta a oftalmologistas ao menos uma vez por ano, de forma preventiva, evitando assim que problemas já existentes piorem;

 

2) Em seguida, busque por óculos de segurança com lentes corretivas de qualidade, que atendam a norma ANSI Z87.1 2003. Se houver dúvida, entre em contato com o fabricante para assegurar a qualidade dos óculos;

 

3) Finalmente, conduza avaliações regulares para assegurar que os trabalhadores estejam sempre utilizando os óculos de segurança no local de trabalho.

 

Para assegurar uma vida longa e saudável dos nossos trabalhadores, principalmente dos mais experientes, é importante que as empresas atendam as suas específicas necessidades visuais dessas pessoas. É tempo de ajudar os trabalhadores a detectar os problemas de visão e adquirir óculos de segurança que eles precisam para trabalhar de forma segura, efetiva e confortavelmente. Afinal, segurança ocular não é somente usar óculos, mas o tipo correto de proteção, que se adapta as necessidades de cada trabalhador.

 

 

Para download do arquivo, clique aqui 

 

 

 

Back to your search

Honeywell Segurança Industrial

Avenida Tamboré, 267 – 17 andar, Barueri, SP

CEP: 06460-000

(11) 4507-0505

Marketing.his@Honeywell.com